Imóveis compartilhadas evoluem no setor imobiliário

Imóveis compartilhadas evoluem no setor imobiliário

O compartilhamento de imóveis não é uma novidade no mercado imobiliário. As repúblicas estudantis existem há muito tempo, atendendo estudantes de diferentes pontos do país que vão estudar em universidades de renome internacional.

A novidade está no compartilhamento de terrenos, onde grupos de amigos adquirem terrenos em locais com potencial de valorização, e constroem imóveis para a própria moradia ou para investimento em um imóvel de aluguel.

Dessa forma, forma-se um grupo fechado, em que as decisões de construção podem ser dividas de maneira igualitária, eliminando as construtoras e incorporadoras do processo.

Mesmo sendo um empreendimento particular, a emissão de documentos depende de algumas adaptações que devem ser feitas, como qualquer condomínio residencial ou comercial.

O AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) é um desses documentos para que o “habite-se” seja emitido. A legislação ambiental também precisa ser respeitada, com área dedicada ao verde e meio ambiente, de acordo com o espaço ocupado pelas construções.

Entrada automatizada para acesso da garagem

A mobilidade urbana é formada por ônibus, vans, trens e metrôs, quando se refere a transporte público integrado, e bicicletas, motocicletas e carros, quando se trata de veículos de uso particular.

As construções estão se expandindo além da área territorial urbana, alcançando bairros em desenvolvimento, mas que apresentam alguma valorização a partir do interesse de pessoas em busca de um imóvel próprio.

Para garantir o acesso aos equipamentos públicos e privados como escolas e hospitais, e não depender exclusivamente do transporte público, os proprietários precisam de veículos próprios.

Por isso, os projetos desenvolvidos incluem o espaço dedicado para o estacionamento, com uma entrada e saída exclusiva de carros, motos e bicicletas.

A modernidade é implementada por meio da instalação de um motor na porta de aço inox que completa o acesso à garagem. Esse modelo é apropriado para garantir a privacidade e segurança dos moradores, assim como dos condutores de veículos.

Com a possibilidade de abrir e fechar a passagem com o acionamento de um controle remoto em posse do motorista, não é necessário descer do veículo. Vale lembrar que pessoas mal intencionadas aproveitam esse momento para a prática de roubos e furtos dos veículos.

A comodidade se estende, ainda, em dias de muito sol ou muita chuva, em que uma botoeira interna pode permitir o acesso ao estacionamento para a abertura automática da porta de aço de enrolar.

A escolha por esse modelo ocorre para que o espaço horizontal seja melhor aproveitado, sem impedir a passagem de pedestres sobre a calçada enquanto está aberta.

Área de uso comum dos imóveis para manutenção geral

A disponibilidade de um espaço para que ferramentas de utilidade para a jardinagem e pequenas manutenções é indicado nesses casos. A terceirização de serviços pode ser necessária e com isso, o profissional pode ter acesso apenas à parte interessada.

Um galpão pequeno, com uma bancada de aço que serve como apoio pode ser o espaço ideal para realizar algumas tarefas simples, como marcenaria ou serralheria.

O investimento nesse tipo de ambiente pode ser dividido entre os moradores, com ferramentas de uso comum como:

  • Cortador de grama;
  • Tornos e morsas;
  • Furadeiras e parafusadeiras;
  • Mangueiras para rega de jardim.

Os serviços também podem ser realizados pelos próprios moradores, principalmente, por aqueles que possuem habilidades manuais para pequenos reparos e manutenções necessárias no dia a dia.

A bancada em aço inox recebe esse material por ser resistente e durável, podendo suportar o peso das matérias-primas e das ferramentas que são utilizadas em uma oficina caseira, mas essencial em momentos de necessidade.

Segurança predial inclui combate a incêndio

Como dito anteriormente, um conjunto habitacional, mesmo que particular, é considerado condomínio perante a legislação e, seguindo as normas de segurança, precisam apresentar um projeto de sistema de combate a incêndio.

Empresas especializadas em recarga extintor oferecem os equipamentos necessários para situações como essa. São inclusos ainda mangueiras com material resistente ao fogo e possibilidade de hidrante junto a uma cisterna com acesso a água pluvial e encanamento de companhias de abastecimento geral.

Os modelos de moradias compartilhadas, sejam terrenos com casas ou prédios, precisam atender todas as normas de segurança, inclusive quanto à legislação que rege os condomínios residenciais e a necessidade na manutenção da recarga de extintores periodicamente.

Essa regras servem para regularizar um segmento que está em expansão, mesmo que atenda apenas um grupo de amigos em cidades litorâneas, ou familiares que investem na construção em um terreno recebido de herança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *