Dicas para construção de um banheiro acessível para deficientes

Dicas para construção de um banheiro acessível para deficientes

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2015, cerca de 62 mil brasileiros possuem algum tipo de deficiência, o que corresponde quase 7% da população brasileira.

E segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 10% da população mundial apresenta alguma deficiência.

Esta mesma instituição definiu, em 1980, deficiência como “qualquer perda ou anormalidade relacionada à estrutura ou à função psicológica, fisiológica ou anatômica”.

Hoje em dia já se pensa a deficiência como um contexto de inserção – isto é, a falta de recursos e estruturas para que o indivíduo se sinta bem, e não como uma condição essencial do indivíduo.

No Brasil, a segunda deficiência mais frequente, ainda de acordo com o IBGE, é a deficiência motora, seguida da deficiência mental e atrás apenas da deficiência visual.

Pela Constituição Brasileira de 1988, que prevê igualdade material a todos, a acessibilidade é um direito garantido por lei, havendo legislação voltada a elevadores, banheiros, estacionamentos, lojas, universidades, carros e afins, espaços públicos, coletivos ou áreas de uso comum em ambientes privados.

Lembre-se de consultar as normas e leis voltadas ao tema da acessibilidade para que sua residência ou seu negócio estejam regularizados, ou mesmo para poder cobrar as autoridades a reforma de ambientes públicos ou de uso coletivo.

Se você não tem ideia de como construir um banheiro acessível para deficientes físicos, ou já tem um construído, mas quer melhorá-lo, confira a seguir algumas dicas.

O que torna um banheiro acessível?

A circulação deve ser garantida pelas dimensões de entrada, pelo posicionamento das peças do banheiro e também pelo tipo de piso adotado.

O banheiro para deficiente, em primeiro lugar, deve ter as dimensões necessárias para a passagem e a circulação de cadeirantes no ambiente.

Segundo uma lei aprovada de 2015, é necessário que a cadeira possa realizar um giro de 360º no banheiro, podendo realizar manobras com tranquilidade.

O piso deve ser nivelado, sem possuir degraus e outros tipos de desnível, e é recomendável que seja recoberto por um revestimento antiderrapante e que não forneça atrito à circulação dos portadores de deficiência.

Há alguns elementos que devem estar obrigatoriamente contidos em banheiros com acessibilidade, em posicionamento e em uma altura adequados.

Um dos elementos obrigatórios é o alarme sonoro para banheiro deficiente.

Ele deve ser instalado tanto na área externa quanto na área interna do banheiro, e deve estar localizado de forma que esteja ao alcance das mãos do usuário e seu estímulo deve ter frequência e tom distinto dos de um alarme de incêndio.

Ainda, deve estar visível para que o usuário verifique se está em funcionamento. Esse alarme é essencial para caso haja uma emergência enquanto o usuário estiver utilizando o sanitário.

Vale lembrar que não é somente a uma cadeira de rodas o banheiro acessível deve atender, mas também a idosos, pessoas com próteses e usuários de produtos ortopédicos.

Por essa razão, além de apresentar as dimensões adequadas, o banheiro deve contar também com barras laterais de apoio (ao lado do sanitário, da pia e do box) em metal, para que sejam firmes e duráveis, e posicionadas a altura adequada.

O posicionamento da papeleira, da pia, da válvula de descarga, dos acessórios do lavatório e dos espelhos também deve obedecer às normas da altura estabelecidas.

O box do chuveiro deve conter um banco e o vaso sanitário uma bacia sanitária.

Como deve ser a estrutura do banheiro?

Não há restrição para o material utilizado na construção de pias e no revestimento interno do banheiro, devendo-se, assim, avaliar custo, durabilidade e resistência.

O tratamento de concreto aparente, necessário nas superfícies com concreto exposto e em que uma das etapas consiste na impermeabilização da superfície, é uma boa alternativa para que infiltrações e mofo surjam.

Ele é essencial para limpeza e remoção de desníveis da superfície. Por isso, caso o próprio piso seja desse material, o tratamento é fundamental para seu nivelamento. A pintura fica a cargo do contratante.

Já quanto às pias, pode-se dizer que uma pia de granito branco ou em mármore são bons investimentos.

Embora possam apresentar um custo relativamente elevado, são materiais muito duráveis, por não serem porosos são bastante higiênicos, são impermeáveis e, além disso, são esteticamente muito bonitos.

Em razão da variedade de preços, procure por um fornecedor de granito que ofereça o melhor custo-benefício.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *