Montando o jardim ideal

Montando o jardim ideal

Em busca de uma vida mais segura e prática, cada vez mais pessoas têm optado por viver em apartamentos. Por conta disso, seu contato com a natureza costuma se resumir a mudas em vasos para plantas espalhados pela casa, para trazer a ideia de um jardim. Deste modo, é possível aproveitar todos os seus benefícios com mais praticidade.

Apesar disso, nem todas as pessoas se adaptam à vida em tais espaços: muitas ainda preferem viver em suas casas, sejam elas em condomínios ou de frente para a rua.

Uma das vantagens disso é o fato de que tais imóveis costumam contar com um espaço considerável para a prática de jardinagem, abrigando as mais diversas espécies de plantas.

Contudo, nem todos consideram que a elaboração de um jardim ideal é algo que exige planejamento e empenho: não basta plantar algumas mudas para dar a tarefa como concluída. Confira, a seguir, algumas dicas para montar um espaço perfeito para você:

  1. Defina um orçamento

Toda e qualquer intervenção em um imóvel deve ter a elaboração de um orçamento como primeiro passo. Afinal, não existe dinheiro infinito para se fazer uma reforma: é preciso definir a cifra que poderá ser gasta.

No caso do jardim, isso não é diferente. É preciso que os proprietários do imóvel definam o valor que podem investir tanto na elaboração quanto nos serviços de manutenção de jardins que serão necessários no futuro. Alguns itens que entram neste rol são:

  • Contratação de um paisagista;

  • Compra das mudas;

  • Compra dos acessórios necessários (vasos, pás, etc);

  • Contratação de um jardineiro para ajudar na manutenção.

Assim, o orçamento serve como bússola, mostrando aquilo que cabe e que não cabe no bolso dos proprietários do imóvel.

  1. Defina as melhores espécies de plantas

As plantas são a grande atração de todo e qualquer jardim; afinal, sem elas, um espaço simplesmente não pode ser definido como tal. Por conta disso, a escolha das espécies que serão plantadas no local é uma das etapas mais importantes de sua elaboração.

Contudo, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a beleza não é o único fator a ser levado em conta neste momento.

Também é preciso avaliar o clima da região (nem todas as espécies se adaptam bem ao frio ou ao calor extremos), o custo (mudas de plantas muito exóticas podem ser caras) e a necessidade de manutenção (enquanto algumas plantas exigem poucos cuidados, outras espécies precisam de cuidados quase diários).

Nota-se, portanto que trata-se de uma escolha complexa. Assim, é interessante que ela seja feita com a ajuda de um profissional qualificado, como um paisagista.

  1. Inclua itens decorativos

Por mais importantes que as plantas sejam, elas não são os únicos elementos responsáveis pela beleza do espaço: também é preciso que haja elementos de decoração de jardim no local. Do contrário, ele ficará apagado e não será devidamente aproveitado.

A boa notícia é que há uma gama de itens que podem ser usados com esta finalidade, como azulejos de diferentes cores, luminárias, pedras decorativas, fontes e, até mesmo, móveis.

Da mesma forma, é possível instalar uma estrutura de cobogó de cimento que o divida em espaços menores, melhorando sua organização. O uso ou não de tais artifícios cabe aos proprietários do local.

  1. Transforme o local em um espaço social

Ao contrário do que muitos pensam, o jardim não serve apenas como elemento decorativo em um ambiente: com algumas adaptações, ele pode ser transformado em um cômodo social da casa. Para tal, basta contar com alguns móveis, como mesas e cadeiras para espaços externos.

Da mesma forma, é perfeitamente possível transformá-lo em um espaço de relaxamento. Caso o objetivo seja esse, é interessante investir em incensos, fontes e instalações ideais para relaxar, como os pergolados. As plantas presentes no jardim arrematam o efeito.

  1. Capriche nos acabamentos

Por fim, assim como no caso de um cômodo tradicional, o acabamento é uma etapa importantíssima na elaboração de um jardim.

Nela, são posicionados os últimos elementos decorativos definidos no projeto, como luzes, pedras decorativas e até fontes, valorizando o espaço.

Contudo, isso não deve ser feito com critério: é preciso que o acabamento seja feito com capricho, bem como com as ferramentas adequadas, como o grampeador de tapeceiro. Normalmente, profissionais que atuam na área do paisagismo trabalham com eles de praxe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *